Arquivo | março 2012

Fugir dos problemas apenas transfere o momento de enfrentá-los.

* 1960 – O Amor Venceu – o amor verdadeiro supera todos os desafios.     * 1968 – O Morro das Ilusões – a vida valoriza a verdade, destruindo as ilusões.     * 1969 – Bate-papo com o Além – crônicas pelo espírito de Silveira Sampaio.     * 1974 – Entre o Amor e a Guerra – o amor entre um soldado francês e uma alemã durante a Segunda Guerra Mundial.     * 1984 – O Matuto – um caipira analfabeto herda uma fortuna e vence todos os que pretendiam ludibriá-lo.     * 1985 – Esmeralda – uma deslumbrante cigana aprende a amar.     * 1985 – O Mundo em que eu vivo – o espírito de Silveira Sampaio relata a vida em outras dimensões.     * 1986 – Pedaços do Cotidiano – contos ditados por vários espíritos.     * 1986 – Laços Eternos – uma história de amor, ciúme e redenção.     * 1988 – O Fio do Destino – o espírito de Lucius relata as suas vidas passadas.     * 1988 – Voltas que a Vida dá – contos ditados por vários autores.     * 1989 – Espinhos do Tempo – uma fazenda, um fazendeiro cruel, uma mulher apaixonada pelo cunhado.     * 1992 – Quando a Vida Escolhe – mostrando que a vida tem o poder de escolher o que é melhor para cada um.     * 1993 – Somos todos inocentes – a história de um rapaz preso por um crime que não cometeu.     * 1995 – Pelas portas do coração – Juliana ensina-nos a sermos responsáveis pela própria vida.     * 1996 – A Verdade de cada um – mostra o quanto se erra quando se pretende julgar os outros.     * 1996 – Sem medo de viver – uma lição de vida, inspirando-nos a vontade de viver melhor.     * 1997 – Conversando Contigo! – coletânea de crônicas publicadas na revista Contigo!, é o único livro de autoria da própria Zíbia.     * 1997 – Pare de Sofrer – o espírito de Silveira Sampaio ensina a evoluirmos pela inteligência, com menos sofrimento.     * 1998 – O advogado de Deus – a advocacia pode ser exercida com justiça e dignidade.     * 1999 – Quando chega a hora – a amizade e o companheirismo de três crianças.     * 2000 – Ninguém é de ninguém – ensina a superar os desacertos do ciúme.     * 2001 – Quando é preciso voltar – fugir dos problemas apenas transfere o momento de enfrentá-los.     * 2002 – Tudo tem seu Preço – cada um poderá obter o que quiser, se pagar o preço.     * 2003 – Tudo Valeu a Pena – quando de vencem os desafios, descobre-se que tudo aconteceu para o melhor.     * 2004 – Um Amor de Verdade – quando, mesmo amando, cada um continua sendo si mesmo.     * 2005 – Nada é por acaso – Uma mãe estéril, um menino indesejado, uma ligação de puro e profundo amor.     * 2006 – O Amanhã a Deus Pertence – Marcelo acreditava amar mas descobriu que apego não é amor.     * 2007 – O Repórter do Outro Mundo – O espírito de Silveira Sampaio traz surpreendentes e divertidas notícias do mundo espiritual.     * 2007 – Onde Esta Teresa? – Teresa saiu para viajar com sua amiga e nunca chegou ao seu destino. O que teria acontecido? A vida interfere a favor das relações familiares.

Começar De Novo.

FLORES LINDAS DE FRUTAS

Começar de novo e contar comigo
Vai valer a pena ter amanhecido
Ter me rebelado, ter me debatido
Ter me machucado, ter sobrevivido
Ter virado a mesa, ter me conhecido
Ter virado o barco, ter me socorrido

Começar de novo e só contar comigo
Vai valer a pena ter amanhecido
Sem as tuas garras sempre tão seguras
Sem o teu fantasma, sem tua moldura
Sem tuas escoras, sem o teu domínio
Sem tuas esporas, sem o teu fascínio
Começar de novo e só contar comigo
Vai valer a pena já ter te esquecido
Começar de novo…

Ivan Lins

SONETO DO AMOR MAIOR

SONETO DO AMOR MAIOR

Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal aventurada.

Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer – e vive a esmo

Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.
Vinícius de Moraes

SONETO DO AMOR MAIOR

SONETO DO AMOR MAIOR

Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal aventurada.

Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer – e vive a esmo

Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.
Vinícius de Moraes